Projeto Lixo BOM

 

 

Projeto pioneiro de separação de lixo realizado em 2003 com os moradores de 251 casas em 7 quarteirões no entorno do Ribeirão Tanquinho. Através de um trabalho de conscientização das donas-de-casa utilizando a cartilha educativa produzida pela ONG, a atividade incentiva a separação de materiais que podem ser reciclados como papel, plástico, vidro e metal que depois de limpos e secos, são acondicionados em um único saco, recolhido em dias pré-estabelecidos por coletores devidamente cadastrados pela ONG.

 

             

Lixo Bom antes da separação              Lixo Bom separado: Metal, Plástico, Vidro, Papel

Para desenvolver este projeto, a ONG contou com o apoio financeiro do Instituto de Biociências da UNESP e Fundibio para a confecção dos folders e com  a participação de 22 alunos de graduação do curso de Ciências Biológicas, da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Campus de Botucatu, que desenvolveram um questionário sobre coleta, separação e destino do lixo doméstico, bem como o grau de conhecimento e conscientização dos moradores sobre os problemas relacionados com o lixo.  

No início do mês de junho de 2003, os alunos de graduação visitaram 251 residências, em 7 quarteirões no entorno do Ribeirão, distribuíram a Cartilha “Ribeirão Tanquinho Vivo”, o folder “Projeto Lixo BOM”, preencheram o questionário e orientaram as donas de casa para embalar o material a ser reciclado num único saco, nas cores verde e laranja, fornecido pela ONG. 

 

 

Folder do Projeto Lixo Bom

                 

Os sacos de cores diferenciadas foram recolhidos, em dias pré-estabelecidos, por coletores ambientais cadastrados pela ONG.  O restante do lixo caseiro, foi recolhido normalmente, pela limpeza pública.

 

  

      

Sacos oferecidos pela ONG contendo material para ser reciclado

 

     

Coletores Ambientais recolhendo o material para ser separado e vendido para reciclagem

 

Até o final do mês de setembro de 2003, estas residências foram  visitadas pelos alunos para obter informações do funcionamento do processo de separação e recolhimento e se os objetivos do projeto foram alcançados.

 

Resultados
 

O projeto incentivou boas práticas como a reciclagem e reutilização de materiais, diminuiu o volume de resíduos sólidos no aterro sanitário e nas APPs do Ribeirão Tanquinho, gerou  trabalho e renda mensal aos coletores ambientais.
 

A realização do projeto contou com a participação direta de 22 alunos de graduação do curso de Ciências Biológicas, da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Campus de Botucatu, que desenvolveram um questionário sobre coleta, separação e destino do lixo doméstico, bem como o grau de conhecimento e conscientização dos moradores sobre os problemas relacionados com o lixo, gerando uma troca de conhecimento entre alunos e a população ribeirinha.
 

Os dados obtidos através do questionário foram usados na monografia de conclusão do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas pelo biólogo Júlio Pinhel Junior. PINHEL, R., DELICIO, H.C. e DINIZ, R.E.S. "Um Programa de separação de Lixo viável vivenciado em uma comunidade ribeirinha". 2003, 31p.
 

O projeto Lixo Bom foi divulgado 5 vezes no jornal Diário da Serra.
 

Serviu de exemplo para que a coleta seletiva municipal fosse implantada pela Prefeitura Municipal e resultou na contratação do biólogo Júlio Pinhel Junior.
 

Foram distribuídas 500 cartilhas no entorno do Ribeirão Tanquinho e foi instalada uma placa educativa.

Realização: ONG S.O.S Cuesta de Botucatu
Apoio: Instituto de Biociências - PROEX
(Pró-Reitoria de Extensão Universitária)
Patrocínio: - FUNDIBIO - PROEX
 

Voltar para Projetos de Educação Ambiental

 

  Voltar para Projetos da ONG S.O.S Cuesta de Botucatu